Consulta de Psicologia de Orientação Psicanalítica:

Espaço de, e para, desenvolvimento pessoal. O apoio psicológico deve ser encarado como uma ferramenta de suporte/apoio e autoconhecimento fundamental para a manutenção da saúde mental. É um caminho feito a dois. Pensar a dois sobre as situações mais diversas. Com a meta de organizar e dar significado às experiências, devolver uma maior liberdade. Também é espaço para orientar, organizar e esclarecer. Um espaço que contém, que é empático, que é atento e não julga, que escuta e que tenta compreender.


A ideia de encontro, parece-me ser uma óptima definição para descrever a “consulta de psicologia”.
Este encontro no, e do, aqui e agora, oferece a possibilidade. A possibilidade de visitar as coisas que habitam em nós, de uma visita à nossa geografia interior. A possibilidade de viagem. A possibilidade de transformação. A possibilidade de novos significados. E, como tal, a ou as, possibilidades, levam-nos a um maior crescimento.
O encontro define, ainda, um novo espaço. Um espaço só nosso. Um anexo da nossa casa. Nesse espaço (o espaço de encontro), não é só físico. É sobretudo relacional.
Pelo encontro, dá-se a relação. E na relação um trabalho a dois.
Assim, acredito que o momento da sessão, da intervenção psicológica, permite que a pessoa possa abrir portas devagar e escancarar janelas. E o que serão essas janelas? Nas palavras de um autor que muito aprecio, janelas são “aberturas rasgadas na parede para fazer entrar luz e ar”. E as portas? Essas serão as mediadoras das experiências entre o interior e o exterior. Portas e janelas que levam à descoberta de lugares desconhecidos em nós mesmos.
A relação de ajuda, o encontro, esse abrir de portas e janelas (internas) é assistido e os passos construídos.
A pessoa do psicólogo, deve ter a sensibilidade da escuta, do envolvimento, da responsividade e da validação. Mas, sobretudo, deve ter um profundo respeito pela pessoa. Sem esse aspecto não há relação. Logo, não há cura nem descoberta.
O psicólogo deve estar, ser presença, ser suficiente. Ter amor à verdade. Receber e acolher. Tolerar a diferença. É, também, seu dever pensar nas suas próprias coisas, pois terá à sua responsabilidade a pessoa que o procura e, também, o seu sofrimento.
Pela, e na, relação terapêutica, a pessoa poderá saber quem é, de onde vem e para onde vai.
A consulta de psicologia, a relação pelo encontro, devolve a liberdade.
Assim, e identificando-me com tudo o que acima escrevi, revelo o enquadramento do meu exercício profissional e tudo aquilo que acredito ser uma verdadeira relação terapêutica.
E, acredito que, se uma relação terapêutica for de sucesso, a pessoa do psicólogo fará para sempre parte da pessoa.

Consulta de Psicologia ao Estudante Universitário:

Sabemos que a entrada no ensino superior é acompanhada por grandes exigências. Sabemos também, que a população universitária, na actualidade, está em burnout (segundo apontam as estatísticas nacionais).
A consulta de psicologia ao estudante universitário, é um serviço de intervenção focada na pessoa, com o objectivo no alívio do sofrimento psicológico e na promoção do desenvolvimento pessoal. Esta oportunidade, permite ao estudante universitário explorar os problemas que têm impacto na sua realidade académica e nos seus sistemas relacionais.